Como sobreviver ao primeiro dia de trabalho

Depois de procurar muito, você finalmente conseguiu um emprego. Agora, passará por um novo desafio: o primeiro dia de trabalho.

O primeiro dia de trabalho é sempre motivo de ansiedade, tanto para quem chega como para quem trabalha na empresa. O funcionário recém-contratado será alvo de olhares curiosos e motivo de comentários durante algum tempo. E isso é perfeitamente normal. Todos estarão atentos aos seus movimentos, gestos e comportamento.

relacoes-como-enfrentar-1-dia-trabalho-460x345-br

Se você está para começar em um novo emprego, uma nova atividade ou mesmo uma nova lotação dentro da mesma organização em que já trabalhava, provavelmente vai passar pelo mesmo desafio que a maioria das pessoas passa nessa situação: além das complexidades técnicas e profissionais, as questões de integração e interação social envolvidas são bastante evidentes e exigirão muito de você.

Dizem que é raro termos uma segunda chance de causar uma boa impressão, e geralmente é verdade, o que acaba causando boa parte do stress do primeiro dia de trabalho. Mas além da preocupação com a imagem e impressão que geramos, existem as questões funcionais a descobrir e entender.

Lembre-se de que você precisa ser espontâneo. Todas estas dicas podem ou não ajudá-lo a sobreviver ao primeiro dia, mas elas não irão fazer bem nenhum se, para segui-las, você precisar fingir ser quem você não é.

Antes de começar

Comece procurando dormir o suficiente na noite anterior, e saia de casa mais cedo do que precisaria – uma boa margem de segurança fará com que você chegue no trabalho bem menos estressado, e melhor preparado para enfrentar o longo dia.

Se chegar cedo demais, resista à tentação de “mostrar serviço” entrando mais cedo no trabalho. Pontualidade funciona nas duas direções; não há problema em chegar 10 minutos mais cedo, mas se você chegar meia hora mais cedo, vai chamar a atenção negativamente, e pode até mesmo atrapalhar uma eventual reunião cujo assunto é como recebê-lo. Caso chegue cedo demais, tome um refrigerante no boteco, leia o jornal ou se ocupe e relaxe a mente até a hora certa de entrar.

Quando for entrar, mentalize: sua tarefa principal para este dia inteiro é observar e aprender, e não “mostrar serviço”.

O alvo

Neste mundo projetizado, já tive minha cota de “primeiros dias de trabalho”, e aprendi a definir metas relacionadas aos aspectos sociais e de relacionamento, não apenas as relacionadas às atividades em si, para serem cumpridas no primeiro dia. Elas valem também para primeiro dia de aula, ou de atividade voluntária. Cada pessoa tem as suas, mas as minhas incluem:

  • Saber claramente a localização da minha sala e da minha mesa de trabalho, e como chegar a ela a partir das entradas e dos demais locais relevantes.
  • Saber onde estão as saídas e os locais relevantes à minha atividade.
  • Saber onde ficam os banheiros, a copa, o almoxarifado e a reprografia.
  • Saber o meu telefone e ramal, bem como os dos meus principais contatos, e o fax, se houver.
  • Saber meu login e senha, os endereços associados a mim e os que eu precisarei usar freqüentemente.
  • Saber quais manuais ou guias a organização espera que eu leia.
  • Saber o nome e cargo do meu chefe e dos demais colegas próximos – anotá-los discretamente.
  • Ter uma idéia clara da natureza da minha atividade, e de como desempenhá-la.

Linhas gerais

Mesmo que você não seja tímido e introvertido, pode valer a pena manter por alguns dias a política de ficar quieto e se esforçar mais em ouvir e observar, tomado nota do que for essencial, fazendo correlações e encontrando causas e efeitos.

Preste muita atenção em nomes, cargos, telefones e localizações. Anote-os discretamente, se puder. Chamar as pessoas pelo nome é uma forma segura de ser visto mais rapidamente como alguém “da turma”, e não “de fora”, e – exceto no caso de interlocutores intencionalmente antipáticos

Se tiver uma dúvida, pergunte à pessoa certa, mas procure fazer perguntas inteligentes. Critique pouco, e resista à tentação de oferecer sugestões imediatamente, especialmente se forem baseadas na forma como você estava acostumado a trabalhar em outro lugar – estas sugestões podem ser muito bem-vindas depois que o grupo já estiver se adaptando à sua presença, mas raramente enquanto você ainda for visto como o forasteiro recém-chegado.

Não é hora de destacar-se no vestuário, nos acessórios ou em outros aspectos pessoais. Você não precisa se esconder, mas também não deve esforçar-se para brilhar excepcionalmente.

Benefícios

A empresa deveria se preocupar em deixar isto muito claro para você antes mesmo do primeiro dia, mas se ela não o fez, e você aceitou ser contratado sem esclarecer isso antes, deixe para perguntar a partir do segundo ou terceiro dia as informações e detalhes sobre férias, licenças, horário flexível, capacitação, previdência, sindicalização, plano de saúde, auxílios diversos, etc. – a não ser que alguma delas seja necessária para uso a partir do dia seguinte, como por exemplo questões de transporte.

A dúvida é importante e legítima, mas mesmo assim, se você tratar dela já no primeiro dia, pode dar a (injusta) impressão errada.

Política e cultura organizacional – informal e formal

Nunca é cedo demais para começar a descobrir como a sua nova coletividade pensa. Se você tiver oportunidade (por exemplo, numa pausa para cafezinho), pode perguntar onde o pessoal costuma almoçar, se ocasionalmente se reunem para um futebol ou uma happy hour, onde tem bons lanches nas redondezas.

sem título

Outras questões mais formais muitas vezes são diferentes, na prática, em relação ao que consta nos manuais que você leu antes de aceitar o emprego, mas às vezes não dá de perguntar diretamente. Observe como são tratadas questões como o horário de entrada e de saída, as lideranças não formalizadas, o ritmo de trabalho, conflitos internos, atitude em relação à criatividade e a soluções imprevistas, se sugestões são sempre bem-vindas ou mal recebidas, e tantos outros aspectos que variam de grupo para grupo.

O que você precisa descobrir, tão cedo quanto possível, é o organograma (tanto o formal quanto o adotado na prática, considerando inclusive os “amigos do rei”), a quem você se reporta (e de que forma), quem se reporta a você, a quem pode recorrer se precisar de informações ou ajuda, a quem pode fazer solicitações, os relacionamentos com outras organizações e parceiros, a missão da empresa e a responsabilidade do seu setor, ou do seu cargo.

Você comandará uma equipe?

Se você vai comandar uma equipe já formada, deve fazer tudo o que estiver ao seu alcance para saber de antemão no mínimo os papéis e responsabilidades de cada um dos membros, bem como conhecer as avaliações funcionais mais recentes sobre cada um deles. Caso você caia de pára-quedas na equipe, ou seja transferido diretamente para uma situação de combate, ao menos peça para que a autoridade que o designou para este local lhe apresente o quadro geral.

No primeiro dia em que for trabalhar com a nova equipe, procure estabelecer contato com todos, ou ao menos com os membros que irão se reportar diretamente a você, para identificar as questões mais prementes e iniciar a formar seu próprio juízo sobre cada um deles.

Marque também, e divulgue a data e pauta, uma reunião geral de todos os que irão se reportar a você, para que você possa identificar as dinâmicas e as questões de relacionamento envolvidas, além dos aspectos relacionados ao trabalho em si.

Em especial, nos casos em que você é recém-chegado e vai diretamente a uma posição de comando, procure identificar desde o primeiro momento quais as pessoas que estão descontentes com a sua chegada, por acreditar que eles mesmos, ou outras pessoas da organização, mereceriam o seu cargo. Após identificar, levante as razões e analise como tratar a questão.

Equilibre autoridade e respeito – você provavelmente obterá mais do segundo se precisar recorrer menos à primeira.

Defendendo o currículo

É possível que o seu currículo tenha sido apresentado ao seu novo chefe, e até aos colegas. Se você escreveu nele que fala alemão fluentemente, esteja preparado para que alguém queira testá-lo, seja cordialmente, como parte de um rito de passagem ou mesmo como avaliação.

Estes testes informais, se ocorrerem, são importantes para formar a sua imagem perante os outros (como já dito acima, você nunca terá uma segunda chance de causar uma boa primeira impressão), portanto esteja preparado para encará-los com bom humor – eles são legítimos e merecem o seu esforço para posicionar-se claramente.

Afinal, o que você faz?

Saber em que projetos e atividades você está envolvido é importante, mas há algo mais essencial neste momento: saber quais as primeiras entregas que você terá que fazer, qual a próxima ação relacionada a cada uma delas, e quais os prazos – especialmente se você tiver que começar a correr imediatamente.

Quando eu estava na graduação, sempre fazia questão de assistir a aula inicial de cada disciplina, mesmo sabendo que raramente o professor daria algum conteúdo naquele dia. Mas eu anotava as informações que normalmente são passadas no primeiro dia: quantas serão as provas, que outras formas de avaliação ocorrerão, qual a ementa da disciplina, como será a avaliação final, projetos de pesquisa, leituras obrigatórias, etc.

É possível passar de ano sem saber nada disso de antemão, mas saber o que vem pela frente facilita bastante a vida e dá a opção de se preparar, quando necessário. Na vida profissional é parecido: saber o que se espera de você, e como você será avaliado, ajuda bastante.

Vá com calma

Cuidado com os julgamentos pessoais apressados. Algumas pessoas podem se aproximar de você por serem amistosas ou simpatizarem, mas outras o farão por interesse. Da mesma forma, algumas pessoas podem guardar distância por timidez, outras por respeito, outras ainda por timidez ou mesmo por antipatizarem com você. Aguarde alguns dias antes de formar seu juízo sobre quem são os amigos e com quem você acredita poder contar.

trampo

Seja profissional, mas amigável. Seja cortês, sem exagerar – nada de pedir desculpas por respirar, ou por existir. Não fique o tempo todo em guarda, saiba quando sorrir e quando falar. Arregace as mangas e ajude os colegas, sem deixar que se aproveitem de você. Adapte-se, ajuste-se e esforce-se para fazer parte da equipe – não apenas no papel.

Dicas para quem está Recebendo

Cabe ao chefe, ou a algum funcionário em especial, apresentar o recém-contratado aos outros funcionários da empresa, departamentos, seções e divisões, assim como a todos os funcionários que direta ou indiretamente o auxiliarão em alguma tarefa profissional ou o cruzarão pelos corredores. Apresentar as dependências e os futuros colegas de trabalho é importante para que o recém-chegado não se sinta um estranho no ninho ou um intruso para aqueles que nunca o viram antes.

Mas como essa pessoa responsável pela apresentação do recém-contratado pela empresa deve proceder?

Em primeiro lugar vamos falar sobre a escolha de quem será o anfitrião no novo funcionário. Essa pessoa pode ser alguém ligado à área de Treinamento, Departamento Pessoal ou Recursos Humanos, alguém que irá trabalhar com ele ou uma pessoa mais conhecida na empresa que tenha acesso a todas as dependências.

É importante que durante a apresentação de chegada o anfitrião faça um breve relato histórico sobre a empresa, como data da fundação, quadro de funcionários, proprietários, diretores etc.

Quem faz a apresentação deve sempre caminhar à frente, a fim de indicar o lugar, assim como terá a atitude de abrir as portas e encaminhar o recém-contratado.

Algumas dicas ao anfitrião:

  • Evite apresentar o novo funcionário no banheiro ou no refeitório, lugares onde devemos evitar aperto de mãos;
  • Não fale mal de nenhum funcionário, chefe, cliente, fornecedor ou da própria empresa;
  • Diga a todos, com clareza, o nome e o sobrenome do novo colega, assim como o departamento onde ele irá trabalhar e a função que vai exercer;
  • A regra básica da apresentação diz que quem tem a atitude de estender a mão ou não é a pessoa mais importante; o protocolar "É um prazer conhecê-lo" fica incumbido à pessoa menos importante.

Dicas para os Colegas de Trabalho

Cabe à pessoa que está sendo apresentada ao recém-contratado:

  • De imediato, parar o que estiver fazendo para lhe dar a atenção devida, seja num simples olhar, aceno ou gesto com a cabeça, mantendo um sorriso simpático acompanhado da frase "Seja bem-vindo" ou "Boa sorte na empresa", podendo até mesmo colocar-se à disposição, caso este necessite de ajuda;
  • Se, no dia da apresentação do recém-contratado, o funcionário não estiver na empresa, nada impede que ao cruzar com o novato, o colega tome a iniciativa de se apresentar, dizendo seu nome, o departamento onde trabalha e a função que exerce na empresa .

Como buscar serviço sem parecer falso?

Para o sócio da consultoria MindSearch, Alan Grange, o recém-chegado tem de entender qual é o escopo de sua atividade. "O excesso de pró-atividade, de querer entrar em áreas que não são de sua atuação profissional, pode soar negativamente a princípio", afirma.

Grange adverte que o contratado deve ter bem claro em sua mente quais as suas funções naquela empresa e procurar não se "intrometer" nas funções dos outros. "Existem muitos profissionais que querem se misturar com todas as áreas. Tentar se envolver com atividades inerentes ao que foi contratado não é certo", completa.

Conhecimento

Muitas vezes uma pessoa que entra para atuar em uma determinada área pode ter conhecimento de diversos outros setores. Neste caso, para não transparecer arrogância, a dica é a velha e boa humildade.

"Querer mostrar que você tem conhecimento de funções que vão além de sua alçada é válido, porém sempre com o uso da simpatia. Sente com o colega, converse e se coloque à disposição para auxiliá-lo nas tarefas", explica o especialista.

Conheça o seu lugar!

Assim que o profissional desembarca em uma nova empresa ele pode pensar: qual é o meu desafio aqui dentro, para que eu fui contratado? Essa reflexão vale para se aprofundar nas questões em que for demandado e para que, novamente, não interfira no trabalho alheio.

Outro ponto levantado pelo especialista diz respeito à agilidade do trabalho. É natural entregar tudo mais rápido no começo, o difícil, contudo, é manter o mesmo ritmo ao longo das semanas. "A motivação deve ser contínua, para não soar falsa", adverte.

Ao fim do dia

Bem ou mal, você irá sobreviver ao primeiro dia. Se os colegas o convidarem para uma happy hour, e você quiser aceitar, não se esqueça que, para eles, a sua avaliação ainda não terá acabado. Vá com calma, mas permita-se relaxar um pouco. Caso contrário, vá para casa, permita-se relaxar, faça algo que você gosta e passe o dia em revista, eventualmente tomando nota dos pontos principais que possam ser necessários no futuro.

Depois descanse, porque o dia terá sido longo, e o dia seguinte vem aí – mas será bem mais fácil.

Como pode ser o primerio dia de trabalho

Para descontrair um pouco assista este vídeo e veja o que não se deve fazer.

E vocês tem alguma história de primeiro dia de trabalho? Comentem e nos acompanhem no Twitter, RSS e Facebook.

Este post é uma adaptação do Efetividade, Catho e Administradores.

8 comentários:

  1. Gualter Silvani Junior9 de julho de 2012 16:22

    Os vídeos sao uma boa alternativa para descontrair após o termino da jornada no primeiro dia de trabalho!
    São ótimos!

    Gualter

    ResponderExcluir
  2. uma outra dica importante para os cargos de confiança e saber com muito equilibrio qual foi o motivo que a empresa demitiu seu antecessor no seu cargo, e tirar proveitos para que não se cometa erros.

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante o artigo! Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Muito interessante o artigo! Parabéns

    ResponderExcluir
  5. Excelente conteúdo, certamente promoverá harmonia em qualquer ambiente novo de trabalho, seja em nova empresa ou mudança de cargo/setor na atual empresa.

    ResponderExcluir
  6. Artigo com informações relevantes, vou fazer bom proveito delas

    ResponderExcluir